Sociedade de Psicanálise no Rio de Janeiro     •      Telefones: Barra da Tijuca {21} 3149 3375      Ipanema {21} 2266 3300

Blog

Homenagem a Laplanche

terça-feira, 15 maio , 2012

Entrevista com Laplanche.

Falecido em 6 de maio, Laplanche era um importante psicanalista e autor do mais famoso dicionário de psicanálise.

 

Segue um recorte da conferência
“O inconsciente e a clínica psicanalítica: trabalhar suas fundações. Encontro com Jean Laplanche” entre 6 e 10 de Novembro de 1990.
Entrevista por: Oscar Sotolano.

OS: Você sempre sublinhou a importância específica da sexualidade na psicanálise, que sempre corre o risco de se dissolver em uma teoria geral das ligações, um Interacionismo autoconservativo como inespecíficos ou sexualidade, que é confundida com uma tendência geral para a união. Neste ponto, sua ênfase na relação entre a auto-preservação de escoramento e sexualidade é central para o seu caminho de destino . A partir do momento que você colocar a pulsão de morte sexual como a morte, o que faz com relação autoconservativo e escoramento?
JL: Bem, é muito grande, eu acho que eu tentei dizer na minha segunda palestra que, para mim, o escoramento, fazer aqui um jogo de palavras é um pouco de uma muleta do pensamento freudiano. É um conceito que Pontalis e eu, que deu uma grande importância na vida e morte , mas eu cada vez mais tendem a relativizar essa noção, dizendo que a sua verdade é a sedução, no sentido de que o escoramento refere-se a uma teoria endógena da sexualidade, uma teoria da emergência da sexualidade a partir do interior, a partir das necessidades do corpo. Então podemos dizer é que o instinto de morte se opõe à vida como um auto-preservação, a sexualidade é, na sua mais antivital .

OS: Em sua última, quando se fala da passagem falsa do estruturalismo binarista associado com o que ele chamou a curiosa teoria da sexualidade feminina, fiquei surpreso com a expressão curiosa. Por que os chamados? E, além disso, você falou de uma terceira categoria, na realidade, a oposição / fantasia em relação à questão da sexualidade feminina. Poderia desenvolver?
JL: Eu acho que essa teoria da sexualidade feminina é curiosa, no sentido de que finalmente incide sobre a sexualidade masculina, é inteiramente voltada para o problema da castração, e que, como diz Freud, finalmente, a passagem para a vagina um retorno é feito muito complicado pelo complexo de castração, o desejo do pênis, o desejo de ter filhos. Por outro lado, do ponto de vista fisiológico, a contiguidade entre o clitóris e a vagina, então, a meu ver, a teoria falocêntrica absolutamente. Eu acho que é de fato muito curioso, e você sabe que uma entrada no movimento psicanalítico houve muita discussão em torno desse ponto, juntamente com uma discussão sobre o conhecimento ou não conhecimento da vagina em meninas . Quando eu digo que há uma hipótese sobre a fantasia da oposição / realidade é que esta discussão está centrada em um problema de percepção real: se a criança percebe ou não que tem uma vagina. Se a criança percebe ou não. Realidade perceptiva, digamos. Em seguida, concentra-se em um problema extremamente perigoso, um problema de percepção não leva em conta o nível do significante, isto é, a penetração, a existência do furo, pode estar envolvido no significante enigmático.

OS: Não podemos fazer sentido do que você disse sobre a terceira categoria .
JL: Sim, claro.

OS: E quando se trata de conhecimento inconsciente da vagina, que problemas relacionados a esta terceira categoria?
JL: O que quero dizer é que é notável que no pensamento de Freud é de um lado do pênis, a pessoa com o pênis, a castração e, por outro lado que não produz um buraco ferida ainda. Enquanto Freud pensou a ferida comumente assimilada com o buraco. Penso que a categoria furo, isto é, a categoria de penetração é uma parte significativa do todo, não apenas o negativo do pênis. Eu me lembro que eu fiz, neste contexto, uma referência muito preciso para o meu problema sobre castração e simbolismo, que eu confio no que ele diz, por exemplo, Leroi-Gourham sobre a pintura pré-histórica : a configuração do buraco ea configuração da vulva é completamente diferente a partir da configuração da castração.

OS: Em seus seminários sobre a castração, que discutiu o conceito de Stoller …
JL: Acho que há muita confusão no pensamento… Mas eu faria Stoller resposta complexa quanto a este ponto .

OS: Lá você trabalhou os conceitos de diferença e à diversidade…
JL: Sim, é em princípio, contra leituras de Freud, no sentido de que nós encontramos de forma muito clara o uso Unterschied diferença ie e Verschiedenheit , que é a diversidade. Freud fala da diferença entre os sexos precisamente no contexto de uma lógica binária em que Unterschied é falo ou falo, pelo contrário, a ideia de Verschiedenheit abre sobre uma variedade, o que significa que o Verschiedenheit pode ocorrer entre dois termos mas também três ou mais termos. Volume cores, considere ter o branco, verde, vermelho, azul, é Verschiedenheit . Por outro lado, se você usar uma classificação binária, que existe por outro lado, desde que o mundo começou a partir da época de Platão, você diz, não são verdes e não verdes, seria então Unterschied . Na verdade, a lógica da diferença é a lógica e a lógica binária castraria nosso computador. Eu acho que é importante notar que, precisamente porque é o complexo de castração que possibilitou o acesso à lógica binária e do desenvolvimento de civilização como a conhecemos computadores. Mas eu acho que é uma restrição do ponto de vista das possibilidades de pensamento de um conceito extremamente frutífero, e que os canais de pensar em uma lógica de + / -.
Pegue um disco: o modo analógico e digital para o modo de reprodução de música, o modo analógico não funciona para plus-minus, trabalha com todas as variações de sons possíveis, ao contrário, o modo digital, ou seja, como reprodução sabemos agora, todos os sons levam a uma diferença de mais ou menos. Claramente, nossa audição é tão fino que, apesar de estarmos no plus-minus, temos algo ainda mais precisa. A reprodução moderna por meios digitais para reduzir todos os sons oposições extremamente finas de presença e ausência, e esta diferenciação na reprodução digital é tão fino que o nosso ouvido é, no entanto, mais fiel reprodução analógica reprodução digital .

OS: Para voltar mais diretamente a questão da sexualidade feminina, a formular a teoria da sedução generalizada implica um repensar da atividade-passividade casal: a partir do momento que a passividade é a referência inevitável para a sexualidade feminina a partir do trabalho precoce Freud, como fica a teoria da sedução geral nesta conceituação?
JL: Podemos dizer que a sexualidade feminina continua de uma certa maneira que a sexualidade é inerente a todas as crianças, isto é, precisamente, uma primeira vez para a passividade. Um pode até imaginar que, ao contrário do que pensava Freud, a sexualidade masculina é desenvolvida com base na passividade, isto é, a feminilidade, se você quiser. Em vez de dar à luz a feminilidade primária é a passividade da criança, que se desenvolve muito naturalmente nas mulheres, é o que então se vira, tornando-se ativo no sexo masculino.

OS: A zona erógena no interior da sedução e coloca-lo em um particularmente importante em relação à sexualidade feminina, não é?
JL: Sim, eu essencialmente coloco no topo da lista de sedução infantil. A pessoa que lhe deu um lugar importante na evolução da sexualidade feminina prefere meu aluno Jacqueline Lanouzière. Em seu próximo livro, este desenvolvimento está presente. A indicação mais importante que eu dei, e ela quebrou, é que o déficit famoso extraordinário: o fato de que o conjunto da literatura analítica aparece o seio da mãe despojado do seu estatuto de zona erógena. Acho extraordinário que temos milhares de trabalho psicanalítico, e milhões de referências ao peito nessa literatura, e são contados nos dedos da mão as referências para o seio da mãe como zona erógena. Em Freud nunca ter peito como zona erógena, em Klein, o peito é um objeto privilegiado, tudo o que quiser, mas não o peito pode dar prazer ao doador. Acho que algo tão grande e é preciso dizer mais de dez vezes … Uma vez que não foi dito milhões de vezes …

OS: A nossa idade levanta novas questões éticas para todas as ciências: crianças que carregam somente as mães biológicas, laboratório de reprodução, engenharia genética, colocam enigmas para a teoria clássica de Édipo, o posicionamento de homens e mulheres. O que você acha que pode ser o impacto destes fenômenos na psicanálise?
JL: Eu acho que pode ser um enorme impacto, mas estamos em um estado no qual não podemos dizer muito mais. Se não, entra em ficção científica. A ficção científica está à nossa porta, a imaginação de HG Wells, por exemplo, ocorrem dez vezes mais. Tudo que posso dizer é que a estrutura da geração é uma pergunta. Os seres humanos, apesar de sua ética, apesar de seus protestos, eles devem aceitar algo que ocorre em toda parte, de forma contínua e na geração de novos seres. Aqui é algo contra o qual o protesto não é suficiente. Não me lembro o autor, foi escrito por um autor que parece, do ponto de vista da psicanálise estas mudanças biológicas. Mas não o suficiente para estar em guarda contra esses grandes eventos. É como a bomba atômica, não o suficiente para escondê-lo, como não o suficiente para disfarçar os efeitos da manipulação genética. Eu não posso dizer mais, mas a moral que você pode ter contra este parece-me ilusória.

Assuntos Destaques Home, Freud e outros autores, Novidades, Textos interessantes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quem Somos

Artigos

Livros

Links

Contato

Rio de Janeiro

Barra da Tijuca
Av. das Américas, 500
(Downtown) Bloco 21 / loja 143.
Telefone: {21} 3149 3375

Ipanema
Rua Visconde de Pirajá, 111/ sala 213.
Telefone: {21} 2266 3300

 

Instituição Psicanalítica fundada em 1992

© 2014 Formação Freudiana - formação em psicanálise | Web design: O Tao do Site